Não te ensoberbeças, mas teme a Deus



Imagem

Não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti.
Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado.
Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé. Então não te ensoberbeças, mas teme.
Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, teme que não te poupe a ti também.
Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas para contigo, benignidade, se permaneceres na sua benignidade; de outra maneira também tu serás cortado. E também eles, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; porque poderoso é Deus para os tornar a enxertar.
Porque, se tu foste cortado do natural zambujeiro e, contra a natureza, enxertado na boa oliveira, quanto mais esses, que são naturais, serão enxertados na sua própria oliveira!(Romanos 11:18-24).

Muitas pessoas acreditam que uma vez crente, crente para sempre. Uma vez salvo, salvo estará para sempre.

Muitas pessoas aceitam Jesus como único e suficiente Salvador, mas poucos deixam que Ele seja o Senhor de sua vida. O maior indício de ser cristão, ou discípulo de Cristo não está numa aceitação isolada, mas numa vida diária de temor a Deus.

Na realidade o que faz com que sejamos de “fato” cristãos não é uma aceitação única, nem uma confissão isolada e emocional, mas uma vida de temor e bons frutos.

O apóstolo Paulo em sua carta aos romanos levanta uma advertência séria a todos os cristãos que videm de “qualquer jeito” achando que nada lhes acontecerá.
E nessa advertência ele é bem claro , dizendo aos gentios convertidos:

“Não te ensoberbeças, mas teme ! ”

Quando Paulo fala aos romanos neste versículo sobre “ensoberbecer” e “temer” ele está dizendo:

“Não basta se dizer cristão, mas viver como cristão”.

Passado tanto tempo, muitas pessoas ainda não entenderam o que é ser um cristão genuíno. Ser cristão não é seguir regras pré estabelecidas e ordenanças humanas, mas viver de acordo com a boa, perfeita e agradável vontade do Senhor. (Rm 12:1)

Os judeus haviam estabelecidos tantas regras e ordenanças para que o povo observasse e cumprisse em temor ao Senhor,mas acabou que eles mesmos se tornaram indiferentes a vontade do Senhor.  Tantas observâncias religiosas não foram suficientes para que o temor do Senhor e a vida de Deus se estabelecesse em seus corações.

Certa vez declarou Jesus:

Bem profetizou Isaías acerca de vocês, hipócritas; como está escrito:
” ‘Este povo me honra com os lábios,mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram;seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens. Vocês negligenciam os mandamentos de Deus e se apegam às tradições dos homens”. E disse-lhes: “Vocês estão sempre encontrando uma boa maneira de pôr de lado os mandamentos de Deus, a fim de obedecerem às suas tradições! (Mt 7:6-9)

A realidade é que aqueles religiosos não questionavam o não cumprimento das Escrituras pelos discípulos de Cristo, mas segundo a sua tradição religiosa.

Como está escrito:

Então os fariseus e os mestres da lei perguntaram a Jesus: “Por que os seus discípulos não vivem de acordo com a tradição dos líderes religiosos, em vez de comerem o alimento com as mãos impuras?”(Mt 7:5);. 

Vemos aqui que o questionamento dos religiosos a Jesus era sobre um mandamento humano, uma tradição que foi colocada acima das Escrituras, para servir de ordenança.

Na verdade a palavra de Deus não precisa ser acrescentada em nada.(Pv 30:6).
Ai, daquele que acrescentar ou tirar (Ap 22:18-19)
O próprio Jesus não veio acrescentar, mas cumprir ( Mt 5:17  ).

O fato não está na Lei de Deus ou nas Sagradas Escrituras , mas como ela é apresentada ao não crente. Muitas vezes uma tradição ou cultura religiosa errada distorce a essência que existe na verdade das Escrituras e faz com que muitos sigam alguns caminhos tortuosos.

Os falsos ensinos e a falta de temor

Infelizmente o evangelho que tem sido apresentado hoje em muitos lugares  possuem uma roupagem religiosa de “aparente santidade” e “moralidade”, mas que na “realidade” não possui um temor de verdade.

Como na velha religiosidade judaica, muitas pessoas acham que um evangelho cheio de ordenanças, regras e rituais pode fazer com que o temor do Senhor seja introduzido no coração do cristão. Na verdade, isso não produz efeito interno, mas externo. E na verdade tudo aquilo que vem de fora para dentro e que vem para que os outros vejam não passam de vaidade humana. Tudo aquilo que não venha do interior do homem , não passa de doutrina de homens.

Em contrapartida,num outro extremo, um outro evangelho tem sido apresentado de uma forma despida,  “quase nua”, que não exige  nenhuma mudança da parte do não convertido.

Paulo fala justamente sobre esses tipos perigosos de doutrina:

– Um cheia de ordenanças, que perecem pelo uso, segundo  os preceitos e doutrina de homens(Cl 2:20-22).

– Outra cheia de obras da carne , que também procede dos homens , que  usam da liberdade para dar ocasião a carne.

Como está escrito:

Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a liberdade para dar ocasião à vontade da carne; pelo contrário, sirvam uns aos outros mediante o amor.( Gálatas 5:13 ). 

Assim, eu lhes digo, e no Senhor insisto, que não vivam mais como os gentios, que vivem na futilidade dos seus pensamentos. Eles estão obscurecidos no entendimento e separados da vida de Deus por causa da ignorância em que estão, devido ao endurecimento dos seus corações. Tendo perdido toda a sensibilidade, ele se entregaram à depravação, cometendo com avidez toda espécie de impureza. (Todavia, não foi assim que vocês aprenderam de Cristo. (Efésios 4:17-20)

“Tudo me é permitido, mas nem tudo convém.(1 Cor 6:12).

Muitos podem me perguntar: Mas o que isso tem a ver com a soberba e temor a Deus?

Na verdade, muita coisa. Tanto a doutrina que ressalta os preceitos humanos, bem como, a que prega um cristianismo liberal acaba tornando as pessoas reféns de um sistema religioso viciado e mundano que não glorifica a Deus, não produz temor e que só ensoberbece o homem.   Quando Paulo fala que  “tudo é permitido, mas nem tudo convém,” ele está relatando que o que vai determinar o que pode ou não é o  temor ao Senhor. 

Quem teme a Deus consegue saber o que pode ou não fazer. O que devemos aceitar ou não.
Como diz as Escrituras:
 E disse ao homem: Eis que o temor do Senhor é a sabedoria, e apartar-se do mal é a inteligência. (Jó 28:28)

O temor ao Senhor  nos torna íntimos Dele (Sl 25:14).

Assim como o ramo está ligado a árvores, devemos estar ligados em Jesus, a videira verdadeira como diz a Palavra de Deus:

Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor.
Todo ramo em mim que não dá fruto ele o corta, e todo ramo que produz fruto ele o poda, para que produza mais fruto ainda.” (João 15.1,2)

Você entende agora por que Israel foi rejeitado ?

Porque não havia dado frutos no tempo de Sua visitação, ou seja, não havia se convertido a Deus.

Muitos não entendem , mas existe uma  passagem nas Escrituras que Cristo  teve que secar uma figueira.  Nesta passagem Cristo nos ensina que não devemos “viver de aparências”, mas ter raíz em Deus e dar frutos. Se analisarmos o texto veremos que “aparentemente” aquela figueira parecia ter frutos, mas  quando Cristo dirigiu-se a elas  só conseguiu ver folhas. (Mateus 21;19).

Se analisarmos o motivo pelo qual Israel foi rejeitado, veremos que foi a incredulidade em Cristo que fez com que eles fossem cortados, mesmo eles sendo “os ramos naturais”.(Rm 11:17-20). 

E foi justamente por isso,  pelo fato de terem “rejeitado o Messias” , pela  soberba de seus corações, que este “os ramos foram cortados” e os “jambuzeiros” ou oliveira braba (gentios) enxertados.

Por se acharem superiores aos demais, eles acabaram tornando duros de coração, incrédulos ao mover de Deus e insensíveis a ação do Espírito Santo.

Eles haviam rejeitado ao Senhor não confessando-O em seus corações.

Como diz as Escrituras: 

Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus. (Mateus 10:32-33).

Os religiosos judeus achavam que já estavam salvos em Deus e livres de qualquer condenação ou rejeição da parte de Deus.

Quando Paulo fala aos gentios ele está dizendo:

“Vigiem, para que não entrem no mesmo erro”.

Muitos se acham seguros em sua salvação, mas diz a palavra que aquele que “perseverar” até o fim será salvo. (Mt 24:13)  A confissão em Cristo é diária através da atitudes e não de meras palavras.

Através da confissão diária, de uma vida que teme a Deus o nome do Senhor é glorificado.  Muitas pessoas acabam se “conformando com a religiosidade” que acabam seus corações acabam sendo “endurecidos” aos princípios cristãos.

Foi assim que aconteceu no passado com o povo judeu e acontece ainda na Igreja do Senhor.  Por “acharem” que eram os “mestres”, os mais conhecedores
perderam o tempo da visitação de Deus em sua vida.

Se achavam “espirituais”, mas não conseguiram discernir o Cristo quando Ele veio.

Por isso, se o amor e a compaixão de Deus no seu coração desapareceu e  você vive uma vida de julgamento e regras, você não é cristão, é fariseu !

Devemos entender que  da mesma forma que os religiosos judeus foram “cortados” , podemos como gentios também poderemos ser cortados, bem como, os judeus que se arrependerem serão enxertados novamente.

Por isso não importa que grupo religioso você pertença, se sua vida não reflete um temor a Deus, mas uma vida de ganância , soberba  pode ter certeza você não está seguindo o verdadeiro evangelho e a palavra de Deus.

O que importa é quanto tememos a Deus e aceitamos sua palavra.

Não  importa saber o quanto pecamos, mas quantas vezes que nos arrependemos.

Como diz Daniel: A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós a confusão de rosto(Daniel 9:7).

O temor do Senhor consiste quando observamos aquilo que está escrito em nossos corações.  Como diz os salmos:

Com todo o meu coração te busquei; não me deixes desviar dos teus mandamentos. Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti.(Salmos 119:10-11 )

 

Anúncios

Sobre Anderson Cássio de Oliveira

Líder do ministério Missão Com Cristo, avivalista apologético, trabalha principalmente com ensino, discipulado e serviço cristão, voltados a levar a Igreja do Senhor a um avivamento genuíno (com base nas Escrituras). Administrador do blog de missões - Chamado para as Nações.
Esse post foi publicado em artigos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s